Clero

Párocos


Pe. João José TavaresPe. João José Tavares

Pe. EvaristoPe. Evaristo

Pe. Agostinho PachecoPe. Agostinho Pacheco

Pe. Manuel TavaresPe. Manuel Tavares

Pe. Agostinho MachadoPe. Agostinho Machado

Pe. José Pires Pe. José Pires

Pe. João Martins Furtado Pe. João Martins Furtado

Pe. Alexandre MedeirosPe. Alexandre Medeiros

Pe. Nuno MaiatoPe. Nuno Maiato

Naturais de Santa Cruz


Pe. MendonçaPe. Mendonça

Pe. Mariano MendonçaPe. Mariano Mendonça

Pe. Agnelo SoaresPe. Agnelo Soares

Pe. Manuel GuerreiroPe. Manuel Guerreiro

Pe. Adriano MendonçaPe. Adriano Mendonça

Pe. Joaquim MendonçaPe. Joaquim Mendonça

Pe. José PiresPe. José Pires

Pe. João PontePe. João Ponte





D. Manuel Medeiros Guerreiro


D. Manuel Medeiros Guerreiro

Manuel de Medeiros Guerreiro nasceu em Santa Cruz, a 12 de abril de 1891, pelas 11 horas de manha, sendo batizado no dia 27 de abril do mesmo ano, pelo cura António Pacheco Custódio. Faleceu a 10 de abril de 1978.

Era filho de José de Medeiros Guerreiro, carpinteiro, e de Maria da Glória Botelho, neto paterna de Manuel de Medeiros Guerreiro e de Francisca Isabel do Carmo e materno de José Botelho Pimentel e de D. Maria José de Almeida.

Na sua comunidade natal fez os primeiros estudos, passando mais tarde para o Seminário de Angra do Heroísmo, onde concluiu os estudos teológicos, sendo ordenado padre no dia 24 de agosto de 1913.

No ano de 1919, concluiu a licenciatura em Teologia, tendo frequentado a universidade Gregoriana, em Roma e o colégio Português, na mesma cidade.

Foi o único açoriano e talvez dos únicos portugueses que foi bispo da igreja católica, em três dioceses diferentes, sendo a primeira a de São Tome de Meliapor em Goa, Índia Portuguesa, entre os anos de 1937 e 1951 e de Nampula, em Moçambique, entre os anos de 1951 e 1966. Foi também bispo titular de Praecausa, entre os anos de 1966 e 1971.

A sua obra social em Nampula é grandiosa, tendo deixado o seu nome ligado à construção de inúmeros edifícios, incluindo a Catedral.

No ano de 1967, D. Manuel de Medeiros Guerreiro tornou-se bispo emérito de Nampula, passando a residir na sua terra Natal como o mesmo escreveu numa carta dirigida ao então presidente da Junta de Freguesia de Santa Cruz, a solicitar um atestado de residência.

A 11 de setembro de 1962, recebeu a condecoração de Grande Oficial do Imperio, tendo a Câmara Municipal de lagoa descerrado um busto no largo do teatro, da autoria do escultor Álvaro de França, a título póstumo.

O seu nome é patrono de duas escolas básicas do 1°. Cicio, com jardim-de-infância, uma na ilha de Santa Maria e outra na cidade da Lagoa.

 

(*) Santa Cruz Lagoa, Memórias da Terra e do Homem, José de Almeida Mello, 2013

COLEÇÃO VISITÁVEL DA MATRIZ DE LAGOA

LITURGIA DO DIA

PAPA FRANCISCO

NOTÍCIAS ECCLESIA